Uma nova realidade virtual

Você já deve ter assistido na internet o vídeo da “mãe da Thaís”, vivendo uma experiência única em uma montanha russa virtual com o Gear VR, o óculos de realidade virtual desenvolvido pela Samsung em parceria com a Oculus . Se ainda não viu, assista agora mesmo! A mãe da Thaís é uma das milhares de pessoas que descobrem todos os dias o fantástico mundo da realidade virtual, que permite que você tenha uma experiência imersiva 360º de tirar o fôlego com jogos de aventura, de terror, fotos, vídeos, aplicações interativas e muito mais. Empresas como a Marvel, Dreamworks, IMAX, Vevo, Netflix e Cirque Du Soleil são algumas das centenas de empresas que já entraram na brincadeira. Não se trata de uma sensação momentânea, mas de uma tendência para um futuro não muito distante e as gigantes do entretenimento já entenderam o recado. Com aparelhos cada vez mais robustos, a realidade virtual tem a intenção de transportar as pessoas para ambientes ricos em imaginação e tão convincentes quanto o mundo real. Está todo mundo falando sobre isso e quem ainda não fala, é porque ainda não descobriu este novo gadget.

O “brinquedo” é realmente muito interessante e consegue enganar o nosso cérebro, nos levando a uma nova experiência de realidade: a virtual. Seja em uma montanha russa, em um voo de asa-delta, observando dinossauros ou mergulhando com tartarugas marinhas e tubarões, você realmente acredita estar em um outro mundo, sentindo inclusive a emoção de estar naquele local. É claro que a experiência não é a mesma, mas é bem parecida.

Mas como isso funciona? Cada um dos nossos olhos enxerga uma imagem diferente do mundo, afinal eles estão em posições diferentes. Ao usar os dois olhos, simultaneamente, o cérebro consegue juntar as duas imagens em uma coisa só, que é como nós vemos o mundo real, em três dimensões (tridimensionalidade: largura, altura e profundidade). Através dos softwares dos smartphones que são utilizados na experiência , além é claro da proximidade da lente e da tela com os olhos, é feita uma correção deste espaço  gerando uma visão estereoscópica. É bem simples: o celular é programado para dividir a imagem em duas e o seu cérebro já está acostumado a interpretar a diferença entre estas duas imagens. Através de sensores nos smartphones que conseguem interpretar os movimentos da cabeça e rapidamente trazer estes movimentos para a tela, temos a sensação real de estarmos em outro mundo.

Para quem acha que esta experiência ainda é muito cara, existem algumas opções de óculos de realidade virtual por menos de R$ 100 como o VR-Box, o View-Master ou mesmo o Google Cardboard, por exemplo. Feito de papelão, o óculos pode ser comprado por US$ 15 (R$ 50) ou montado pelo próprio usuário. No entanto, esse valor não corresponde aos tops de linha. O Gear VR, feito pela Samsung em parceria com a Oculus, sai por R$ 799. O Oculus Rift custa quase o triplo, vendido por US$ 599 (cerca de R$ 2.000).

Em alguns anos, estes óculos de realidade virtual terão eletrodos que se conectarão ao seu cérebro e farão você ter uma experiência virtual ainda mais real, sentindo inclusive sensações como o calor, o frio e o prazer, entre dezenas de outras sensações e emoções. Você está preparado para uma nova realidade virtual?

Sem comentários. Quer comentar?

Publique o seu comentário sobre esta publicação

18 − 12 =